O flâneur e o voyeurismo, estão presentes no cinema e na literatura? – Parte 2


(Ler O flâneur e o voyeurismo, estão presentes no cinema e na literatura? – Parte 1)

Charles Bukowski é um exemplo de um autor que usa o voyeurismo como característica dos seus personagens (e do seu alter ego, ou em Pulp (1994), dele mesmo). Em Histórias de Loucura Normal (livro de contos de 1967-83), estamos constantemente a depararmo-nos com o personagem central a usufruir do voyeurismo, a observar mulheres e cenas de sexo bastante bem descritas, a sentir prazer por ver esse inusitado (por exemplo, num dos contos, o personagem observa uma mulher a ter relações sexuais com animais e acha que esse é um momento estranho mas sensual). Bukowsky, principalmente no seu último romance Pulp (1994), descreve tão bem esses momentos que o próprio leitor se sente um voyeur.

barbell
Charles Bukowski

No cinema, o voyeur notou-se, pela primeira vez, em Janela Indiscreta de Hitchcock (1954). Neste filme, o fotógrafo L.B. Jeffries (James Stewart) parte uma das pernas durante um dos seus trabalhos. Agarrado à cadeira de rodas, Jeffries vê-se obrigado a ficar em casa e a única coisa que o entretém é olhar para os vizinhos e ver a vida deles como se de vários filmes se tratassem (a vizinha que troca de roupa e dança pela casa fora; o vizinho que trata do jardim e cuida da mulher doente; etc). Um dia, ao observar os vizinhos através da lente da sua máquina fotográfica, apercebe-se que algo de errado se passa e começa a suspeitar que o vizinho matou a esposa e escondeu o corpo. Acreditando verdadeiramente nas suas suspeitas, tenta provar, à sua namorada e à sua massagista, que o que pensa é a verdade.

01rear-window-3
Janela Indiscreta de Alfred Hitchcock, 1954

Hitchcock, tenta demonstrar o lado do voyeur (Jeff) e o lado do exibicionista (vizinhos) que apesar de não estarem cientes de que alguém os observa, contribuem para uma espécie de reality show. A vontade de Jeff arranjar provas de que o vizinho matou a esposa é também uma forma de disfarçar a culpa por violar a privacidade do outro, de maneira a que o salve da culpa de sentir prazer por praticar voyeurismo. Dessa forma, o cineasta demonstra o distanciamento que a personagem tem da realidade.

Atualmente, o voyeurismo sente-se sobretudo através de programas do tipo Big Brother e Secret Story, onde as pessoas estão possibilitadas de observar a vida de outros 24 horas por 24 horas.

Advertisements

Author: 60pontos5paicas

Communication Design at Fbaul.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s